Chora o Rio de Janeiro,
Chora a Mangueira,
Chora o Samba,
Choro Eu… choro de desencanto… de saudade antecipada… de esperar o carnaval…
Choro, pois vejo que a árvore do samba está com um dos seus galhos vazio,
Não há mais nenhum Jamelão, lá…
O fim do outono o levou…
Fizeram as vozes se calar, e um único surdo irá bater,
E dele um som sairá, um som tão triste, como o som do vento no fim do outono, balançando o galho seco, da árvore seca, da Mangueira triste…