Momentos significativos e distância.
Vejam bem estas palavras…
Eu acho que é assim que este ano se completa, que assim passamos por cada mês, por cada semana e por cada dia.
Momentos significativos e distância…
Mesmo tendo uma série de momentos significativos que talvez não consigamos se quer entender, como e porque, estes momentos acontecem, ainda assim sem entendê-los tivemos de suportar a distância.
E às vezes a distância se fez presente em nós mesmos, por que é a distância da transformação, distância daquilo que nos faz ser outro para que o mesmo siga a diante.
E isso faz também que nós tenhamos uma série incontável de momentos significativos.
Como se fosse um ciclo. Um após o outro e o outro após um.
Eu estive distante, e mesmo perto, eu sei que estive distante.
Distante da minha essência, porque às vezes isto se faz necessário.
Eu estive distante até mesmo destas linhas, e estou agora, querendo estar, e assim não me envolver e não tornar estas linhas pedaços de mim mesmo. Seria isto possível?
Imaginemos este fim ano como um quarto branco, com uma única cama de lençóis brancos e que ao deitarmos em um silêncio profundo e mesmo com os olhos fechados tudo ainda será branco. Então deitados e de olhos fechados, ouvíssemos uma voz, e esta nos ditasse todos os momentos significativos que tivemos, como se contasse um conto de cada vez, e nos mostrasse que a cada momento significativo que provamos mais distante estamos de algo.
É possível entender que à distância nem sempre esta no tamanho da estrada, que ela não precisa de dois pontos distintos para se mostrar, para se mensurar.
E que o momento significativo, não necessariamente é um momento glorioso, mas de certo é grandioso.
Às vezes não temos o controle, e isso, bom eu acho que isso nos salva.
Vamos sorrir…
Coube em nós este ano, tantos momentos significativos, que covardia e pompa seria descrevê-los, assim como nos traria uma profunda agonia perceber aqui, à distância que se instaurou em nós.
Façamos assim, vamos simplesmente tê-los e ter a consciência que nem sempre saberemos lidar com cada uma destas coisas.
Mas temos de saber lidar com o amigo que aos poucos vai percorrer outras estradas e já não se faz tão presente;
Precisamos entender que às vezes não sabemos como agir, com o que fazer da nossa vida, e que os outros são iguais;
Temos que ser capaz de compreender o abraço;
O sorriso do mais novo;
E a lágrima de quem quer que seja;
Compreender a dor do abandono;
Compreender o amor que simplesmente se foi, ou porque infelizmente não aconteceu;
O amor único, o amor dividido, o amor intenso, o amor que teima em não se completar e o amor completo.
Compreender que às vezes basta olhar para o lado e suspirar;
Que os amigos vão mudar;
Por que temos de compreender a liberdade;
Assim como temos de compreender a indecisão, o vacilo e o erro;
Compreender quando se percebe que em um pequeno momento o som vai sumir e você verá todos os sorrisos que você quer ver e ainda assim um pequeno vazio vai estar no fundo do seu peito.
Eu olhei para trás e tive de baixar os olhos, como um se olhasse um livro que eu não li, mas que desconfio de como termina a história, e para isso eu precisei me distanciar do passado. E tive de compreender isto também.
E isso nos acontecerá mil vezes, é o momento significativo aliado à distância.
Então eu devo agradecer a cada momento significativo que pude provar, mas também agradecerei a distância, que nos faz mudar…
Obrigado.